Desculpe, seu navegador não suporta JavaScript! Casa Open

O que ganho usando Jboss Seam?

7 de fevereiro de 2013
Texto direcionado a usuários do JSF 1.2 tratando do uso do Jboss Seam 2.x.

Para quem não conhece, o Seam é um framework destinado ao desenvolvimento WEB criado pelo mesmo criador do Hibernate, Gavin King, e que tem como um de seus principais objetivos facilitar a integração entre JSF e EJB3.

Muitos são os ganhos obtidos pelo uso do Seam, dentre estes irei me ater aos seguintes:
  1. Menos XMLs
  2. Requisições por GET
  3. Facilidade na utilização de ComboBox
  4. Injeção de Dependências via anotações
  5. Facilidade no envio de e-mails
  6. Agendamento de tarefas
  7. URL user friendly
  8. Suporte a transações
  9. Integração com Groovy, Hibernate, Spring, entre outros

Criando validadores personalizados no JSF

22 de janeiro de 2013
validador-jsf


Cortando as introduções e indo direto ao assunto, no JSF você pode trabalhar com  dois grupos de validadores de dados: os existentes (que são fornecidos pelo JSF) e os personalizados (que são os criados por você). Os existentes validam algumas características de dados, tais como: tamanho de campos, limites, entre outras. Mas, como é de se esperar, várias características não são abrangidas. Em vista disso, a possibilidade de criar validadores personalizados é uma boa saída fornecida pelo JSF.

Ciclo de vida JSF

28 de dezembro de 2012
Um dos fundamentos de maior relevância do JSF é seu ciclo de vida que se dá entre requisição e  resposta do servidor de aplicação. São vários os motivos da existência deste ciclo, dentre estes, temos:
  • Manter o controle de estado dos componentes de interface;
  • Alinhar ouvintes de eventos com seus respectivos eventos;
  • Controle de navegação entre páginas, que deve ser realizado pelo servidor;
  • Permitir que validações e conversões sejam realizadas no lado do servidor.

O padrão MVC segundo o JSF

17 de dezembro de 2012
O que MVC?

O padrão MVC, de modo geral, divide uma aplicação em três camadas: modelo, visão e controle. A visão é responsável por apresentar a interface ao usuário. O modelo, pela representação dos objetos do negócio e fornecimento de acesso aos dados do negócio. E o controle define o comportamento da aplicação interpretando as ações de modo a realizar as devidas chamadas ao modelo. De modo simplificado, é dito que o controle fornece uma ligação entre visualização e modelo.

Removendo acentos de String no Java

7 de novembro de 2012
Você programa a mais de um mês? Se sim, é provável que já precisou retirar acentos de um String. Para isso, existe a forma feia, chata e antipática de fazer (que por sinal é a que mais vejo) e a forma bonita e elegante (que raramente vejo).

Por que devo estudar Acessibilidade Digital?

13 de abril de 2012
Ao se falar em acessibilidade logo vem a mente a palavra acesso. E realmente acesso tem tudo a ver com acessibilidade. Mas, o que se pode entender por acessibilidade? Quais são suas primícias? Seus benefícios? Por que profissionais de TI devem estudá-la? É exatamente em respostas a essas perguntas que esse texto é direcionado.

Você "vai" ao Ruby Masters Conf?

11 de fevereiro de 2011
Ruby Masters Conf - Edição 2011


A Ruby Masters Conf foi uma das iniciativas mais legais que vi recentemente na comunidade Ruby. Ela se trata de um conjunto de palestras  que serão transmitidas on-line nos dias 25 e 26 de fevereiro de 2011 onde toda a renda será revertida para dois projetos: o RubyInstaller -  que é uma ferramenta usada para instalar o ambiente necessário para o Ruby no Windows - e o Passenger - que mudou a forma da comunidade administrar um cluster de Mongrels ou gerenciar processos FastCGI.

Um ano de Casa Open

27 de janeiro de 2011
Imagem mostrando o número 1

Este é um dia muito especial para mim pois há um ano atrás o primeiro post, intitulado Ruby on Rails vs Java, do blog, que antigamente chamava-se railsopen.blogspot.com, foi ao ar. Desde então, muita coisa mudou: alterei o layout, o domínio (veja esse post)... mas o que permanece é o foco: Ruby e Rails.

Os railers e suas músicas

5 de janeiro de 2011
Em quase todos os grandes eventos de Ruby e Rails estamos tendo o privilegio imensurável de desfrutarmos do talento musical dos railers. Como sou uma boa pessoa, não irei privá-lo destes momentos inusitados...
...deixando de lado a ironia, realmente é muito bom ouvir música nos eventos e as que você verá nos próximos vídeos são ótimas!

Retrospectiva 2010

26 de dezembro de 2010
Antes de qualquer coisa desejo, sinceramente, a todos os leitores um ótimo 2011. Que seja um ano excelente profissionalmente e pessoalmente. Me vejo também no dever de agradecê-los pelas críticas, elogios e pelos comentários - são eles que me dão forças para continuar.

Sockets em Ruby

15 de dezembro de 2010
Foto de uma tomada ligada na fonte de energia

Este é primeiro de vários artigos que irei publicar sobre Sockets em Ruby. Mas antes de qualquer coisa, é conveniente dizer o que são Sockets:

Captura de código ASCII no Ruby

30 de novembro de 2010
Existem vários modos para capturar os código ASCII dos caracteres em Ruby, vejamos alguns deles:

RubyConf Brasil

31 de outubro de 2010


Dois dias intensos de Ruby em São Paulo onde mais de 700 pessoas tiveram o privilegio de conhecer um pouco mais deste mundo que a muitos fascinam. Por lá estive e deixo aqui alguns dos meus pensamentos sobre o evento.

Respostas HTTP

25 de outubro de 2010
Quando fazemos uma requisição na Web, o servidor busca o que está sendo requisitado e envia uma resposta para quem fez a requisição. Esta resposta pode ser dos seguintes tipos:

Tipagem em Ruby

23 de setembro de 2010
Cada linguagem de programação tem sua forma de lidar com tipos, por exemplo: C é uma linguagem estaticamente tipada, pois o tipo da variável é definido em tempo de compilação. O que pode ser visto no seguinte exemplo:

Casa Open | by Samuel Vinícius, Belo Horizonte - MG. Powered by Blogger